BLOG

06/02/2017 -- 18:30

Anvisa muda as regras para os rótulos dos alimentos com e sem lactose; Bem Estar explica

Há 3 tipos de intolerância à lactose

Facebook
Twitter
Google +
Whatsapp
Surgerir Pauta
Comunicar Erro

a semana, a Anvisa definiu as regras para que os rótulos de todos os alimentos industrializados tenham informação sobre a lactose, um açúcar do leite que muita gente tem dificuldade de digerir. Cerca de 40% da população brasileira tem algum tipo de intolerância aos derivados do leite.

No Bem Estar desta sexta-feira (3), a médica alergista Ariana Yang explica que existem níveis diferentes de intolerância, mas será que é pra vida toda? Quais as formas de identificar esse problema e a diferença da intolerância para a alergia? A nutricionista Renata Pinotti explica e tem ainda o significado dos novos rótulos: contém lactose, baixo teor de lactose e zero lactose.

O que é alergia ao leite? É uma reação do corpo às proteínas do leite, que são caseína, alfa-lactoalbumina e beta-lactoglobulina. Quando as proteínas passam pelo intestino, o sistema imunológico reconhece como inimigas e aciona as células do corpo como resposta de ataque. Os sintomas variam de acordo com a célula que foi acionada.

A reação independe da quantidade de lactose ingerida, ou seja, quem tem alergia não pode comer nada que contenha o açúcar do leite e qualquer quantidade é suficiente para causar reação.

Sintomas da alergia ao leite - A reação pode ser em toda parte do corpo. Alguns sintomas se confundem com os da intolerância à lactose, como diarreia, dor e distensão abdominal e sangue nas fezes. Os sintomas mais graves são: choque anafilático e falta de ar com tosse.
O que é intolerância à lactose? É a dificuldade de digerir a lactose, que é o açúcar do leite. A lactose é digerida pela enzima lactase, produzida pelo intestino. Quando a produção dessa enzima é pequena, a lactose não digere bem e causa vários sintomas que são desconfortáveis, mas não são graves, como os da alergia ao leite.

Há 3 tipos de intolerância à lactose:

1) Intolerância genética - é a mais comum. É quando a produção da enzima lactase diminui com o processo do envelhecimento. Este tipo de intolerância é definitivo.
2) Intolerância à lactose secundária aguda ou crônica - Acontece em consequência de uma inflamação no intestino, como, por exemplo, uma intoxicação alimentar, ou seja, é secundária a outro problema.

Quando a inflamação do intestino é aguda, é preciso esperar o órgão desinflamar para poder voltar a consumir alimentos com lactose sem nenhuma consequência. A intolerância à lactose nas crianças geralmente é aguda, ou seja, elas vão poder comer alimentos com lactose no futuro. Já quando a inflamação do intestino é crônica, como de quem sofre de doença celíaca, a inflamação está sempre presente e o consumo de alimentos com lactose não é recomendado.

3) Intolerância à lactose congênita - é mais rara. A pessoa nasce com baixa produção de lactase no intestino e tem, inclusive, intolerância ao leite materno.
Sintomas da intolerância à lactose - Os principais sintomas da intolerância são abdominais, como dor e distensão abdominal, gases, diarreia ou constipação, náusea e vômitos.

ANVISA - A rotulagem de lactose garante informação ao consumidor. A medida também abrange bebidas, ingredientes, aditivos alimentares e qualquer outro coadjuvante para alimentos.
A declaração da presença de lactose será obrigatória nos alimentos com mais de 100 miligramas (mg) de lactose para cada 100 gramas ou mililitros do produto. Ou seja, qualquer alimento que contenha lactose em quantidade acima de 0,1% deverá trazer a expressão "contém lactose" em seu rótulo.

Com a instituição dessas regras, o mercado brasileiro de alimentos terá três tipos de rotulagem
para a lactose: "zero lactose" ou "baixo teor", para os produtos cujo teor de lactose tenha sido reduzido e "contém lactose", nos demais alimentos com a presença desse açúcar. Os rótulos devem ser adequados até 2019.

O prazo foi definido com base no tempo que a indústria e seus fornecedores precisam para adequação e também para esgotarem os estoques atualmente existentes.



G1
Bem-Estar
Leia também!
RELAÇÃO
Você sabia que a sua dor de cabeça pode estar relacionada a sua postura?
Especialista revela que patologias ligadas à coluna e até mesmo ambientes inadequados para trabalho podem gerar cefaleias constantes
MAUS TRATOS
Cachorro abandonado é resgatado e precisa urgentemente de ajuda, em Assis6
Ele foi encontrado muito debilitado e machucado
PETS
Adestramento de cachorros: mitos e verdades1
Segundo os especialistas, até mesmo gatos podem ser adestrados, pois todo animal tem um nível de inteligência
PERIGO
Diabulimia, transtorno alimentar que pode levar à morte
Embora ainda não seja reconhecida na literatura médica, a diabulimia é considerada pelos especialistas um problema duplo em que, além do diabetes, se tem um transtorno alimentar grave
Acesse a versão clássica
Redecity. © 2017
Google Twitter Whatsapp Facebook