COMPORTAMENTO

16/02/2017 -- 20:00

A polêmica sobre as marchinhas 'inadequadas' de carnaval

Facebook
Twitter
Google +
Whatsapp
Surgerir Pauta
Comunicar Erro

A discussão veio ganhando corpo nos últimos carnavais. Alguns blocos começaram a contestar a permanência de letras consideradas machistas, racistas ou preconceituosas, feitas em um Brasil dos anos 40 e 50 que não tinham mais a ver com as conquistas sociais dos tempos modernos.

Mas não foi fácil. Agora, depois do anúncio de que coletivos como o Cordão do Boitatá, no Rio, e algumas rodas de samba estavam abolindo de seus repertórios músicas como O Teu Cabelo Não Nega, Ai, Que Saudades da Amélia, Maria Sapatão e Cabeleira do Zezé, uma reação começou a ser esboçada. Nas redes sociais, surgiu o "Bloco só pra cantar Cabeleira do Zezé e Maria Sapatão" e João Roberto Kelly, um dos maiores autores de marchas carnavalescas, ganhou voz como há tempos não tinha. "O efeito a isso será contrário. Vão cantar essas músicas muito mais agora", ele diz.

Um dos filhos de Dorival Caymmi, o cantor e flautista Danilo Caymmi diz que falta às gerações que falam em cerceamento de canções mais conhecimento de História do Brasil. "Eles precisam estudar mais para saber o que foi a ditadura."


Caetano Veloso também foi atingido por blocos que preferem não tocar músicas com a palavra "mulata", como em Tropicália. Ele responde ao jornal "O Estado de S. Paulo" sobre o assunto.



Agência Estado
Leia também!
FELICIDADE
Desenvolva uma estratégia para sua vida
É importante criar uma visão geral da vida, descobrindo qual é o grande sonho
PAPÁ NO PRATO
Depois da paçoca, Anvisa proíbe papinha para bebês
AFETO
Os benefícios de dedicar mais tempo aos filhos
Pesquisa realizada em Israel aponta que os pais só disponibilizam 14 minutos e meio para suas crianças
MAIS VENDIDOS
Best-seller Os 13 Porquês vira série da NETFLIX e ganha nova sobrecapa
Livro de Jay Asher está entre os mais vendidos há duas semanas e estreia como série na NETFLIX em 31 de março com produção de Selena Gomez
PREVENÇÃO
Biólogo explica como se prevenir e tratar a esporotricose4
Com o tempo, podem também se transformar em feridas
TESTE DA ORELHINHA
Teste da orelhinha: diagnóstico permite que bebês com deficiência auditiva desenvolvam a comunicação precocemente
Desde agosto de 2010, a Triagem Auditiva Neonatal passou a ser obrigatória em todas as maternidades
Acesse a versão clássica
Redecity. © 2017
Google Twitter Whatsapp Facebook