COLUNISTAS

10/07/2017 -- 10:00

"Sem fantasias pra te enfeitar"

Facebook
Twitter
Google +
Whatsapp
Surgerir Pauta
Comunicar Erro

Procuro compreender por que razão
a tua aparição continuou a se repetir
depois de tantos anos passados em calendário
e uma sensação de que foi ontem que te vi sorrir...

E todas essas coisas vividas e sentidas
absorvidas dentro da minha sensibilidade
ainda são questionadas, portanto
não leve a mal minha imensa saudade

Olho os olhos dos faróis sem visão nenhuma
e continuo a procurar a sua boca em alguma
já que sempre precisou mais que uma companhia
fazendo com que eu acreditasse no que sentia...

Você disse tantas vezes que me amava
você fugiu tantas vezes comigo
o seu amor não durava mais que a madrugada
um porto seguro que dava abrigo...

E quando amanhecia era a realidade
que tomava conta de nossas vidas
você poderia ter me provado seu amor irreal
mas foi tão mais fácil optar pela despedida

E quando mais tarde me pegou pelos pés
eu não tinha fantasias pra te enfeitar
falo do amor que ficou no tempo,
num tempo que não vai mais voltar...

Divulgação
Raquel de Andrade
Escreve semanalmente no AssisCity, tem 32 anos, trabalha na Rede de Supermercados Avenida há 13 anos e ama poesia. Uma frase a resume muito bem: "A poesia fala o que o coração sente, o que toca na alma... é um desabafo, um encontro de emoções, misturada com encantos e desencantos."
Leia também!
Acesse a versão clássica
Redecity. © 2017
Google Twitter Whatsapp Facebook