21 de Novembro de 2017
17º/30º
ENTRETENIMENTO » COMPORTAMENTO
13/07/2017

Dificuldade de transformar dieta em estilo de vida impede 47% das pessoas de emagrecerem

Pesquisa foi realizada pelo especialista Rodrigo Polesso, líder do movimento Emagrecer de Vez

Segundo um levantamento realizado pelo especialista em Nutrição Otimizada, Rodrigo Polesso, do movimento Emagrecer de Vez, 47% das pessoas que começam uma dieta não conseguem transformar os novos hábitos em um estilo de vida e por isso, deixam a busca pelo emagrecimento na metade do caminho.

Desse número, 25% das pessoas afirma que o mais difícil é vencer o Efeito Sanfona e 22% acredita que ter que contar calorias e medir porções é o mais difícil e que não querem ter que fazer isso para sempre. "A pesquisa foi realizada com mais de 2,8 mil pessoas, sendo 83% mulheres, e o meu objetivo era entender quais são as motivações e as dificuldades enfrentadas por quem busca emagrecer", explica Rodrigo, que realizou o levantamento por meio de um completo questionário.

Polesso defende que para fugir dessa estatística a alimentação seja pensada com base em evidências científicas recentes e de alta qualidade, ou seja, adotar o que o especialista chama de Alimentação Forte. "A Alimentação Forte é um estilo de vida alimentar flexível que é baseada em alimentos reais e nutritivos", explica.

O especialista destaca os grandes motivos para mudar o estilo de vida e viver com este tipo de alimentação:


1- Flexibilidade

A Alimentação Forte é flexível, assim como um estilo de vida precisa ser e permite até que as pessoas reservem um pouco do tempo para consumir aquilo que sabem não ser saudável. "Depois de passar por um processo de adaptação do corpo ao novo estilo alimentar, é totalmente possível abrir exceções para consumir outros alimentos que não se encaixam na AF", explica o especialista. Polesso explica que, se 80% da alimentação é feita com comida verdadeira, é possível até permitir que 20% seja de alimentos menos saudáveis, caso assim se escolher, afinal, nós tendemos a ser o que comemos na maior parte do tempo.


2- Processo natural

O processo de reprogramação do corpo, de forma que ele pare de acumular gordura e passe a ter seu metabolismo reorganizado, é natural e ocorre em diferentes tempos, já que cada corpo reage de maneira diferente aos processos de mudança. Rodrigo Polesso explica que a Alimentação Forte coloca novamente nas mãos das pessoas o poder de se ter um corpo em forma e com peso estável também no longo prazo. "A Alimentação Forte tem como objetivo fornecer ao corpo os alimentos e nutrientes que ele está evolutivamente programado para metabolizar bem e isso acaba gerando "efeitos colaterais" positivos como emagrecimento natural e fortalecimento da saúde no geral", explica. Rodrigo completa dizendo que precisamos voltar a nos conectarmos a uma alimentação natural e verdadeira, ressaltando que esta conexão foi perdida com o consumo exagerado de produtos industrializados e processados.


3- Alimentos Estratégicos

Ao contrário das dietas divulgadas amplamente, o estilo de vida da Alimentação Forte não possui alimentos "proibidos" ou "liberados". Polesso acredita em colocar o poder da decisão nas mãos de quem a segue, munindo as pessoas do conhecimento necessário para entender a divisão dos alimentos em três categorias: colaboradores, agressores e moderadores. Os primeiros são aqueles que aceleram o emagrecimento. Os agressores freiam o progresso e os moderadores podem atrapalhar, dependendo do corpo, mas apenas acendem um "alerta amarelo". O especialista conta que a escolha do que vai fazer parte da alimentação não deve ser restrita com base em um cardápio. "Você é livre para fazer as suas escolhas e deve se sentir responsável por elas", completa.


4- Fim da contagem de calorias

Na Alimentação Forte, o foco é a qualidade e não a quantidade de alimentos. "A ideia de viver contando calorias é um mito que foi criado, e que hoje é comprovado pela ciência", explica Polesso. "As calorias não são todas iguais, e para quem mantém uma alimentação correta de verdade, a quantidade de alimentos fica em segundo plano, uma vez que o corpo retoma o funcionamento correto dos sensores de apetite e saciedade", destaca. "Com isso, você se sente livre para manter uma vida saudável sem deixar de prestigiar a festa de aniversário do filho ou o churrasco com a família". "Cem calorias em forma de brócolis são completamente diferentes de cem calorias em forma de açúcar", resume. "Elas vão ser metabolizadas no corpo de forma diferente", ensina, ressaltando que o corpo é um sistema biológico integrado e complexo, e não uma simples calculadora de calorias. "A ideia de que para emagrecer basta focar-se em consumir menos e se exercitar mais não funciona a longo prazo e temos provas suficientes disso hoje na ciência."



Assessoria
+ VEJA TAMBÉM