23 de Abril de 2019
17º/30º
ENTRETENIMENTO » COLUNISTAS

Fraudulentos, cegos e intolerantes

COLUNISTA - José Benjamim de Lima

Para o observador desavisado, as redes sociais poderiam ser louvadas como um espaço democrático privilegiado, por permitirem a todos e a qualquer um manifestar-se, do cidadão comum e afável (detentor de poucas ou remediadas letras), ao (embora pouco provável) mais refinado intelectual. Mas não. Essa visão positiva fica bastante prejudicada, quando se olha para o conteúdo de boa parte dessas manifestações, sobretudo as de natureza política. É um constrangedor desfile de cegueira e preconceito, mesmice, grosseria e falta de espírito crítico. Não se trata, obviamente, de censurar o direito de manifestação, mas lamentar os excessos e abusos no exercício desse direito que a civilização, a duras penas, consagrou.

Nessa democracia feérica das redes sociais, que mistura, sem cerimônia, sem critério e sem filtro, coisas sérias e futilidades, o belo e o grotesco, "fake news” com verdades, comoventes inocências com criminosas e apressadas difamações, tem predominado, ao menos no Brasil do presente, o que poderíamos denominar de discurso irado e intolerante, quando não fraudulento, qualquer que seja a linha ideológica que assuma.

Levianamente ferino, repleto de ideias feitas, apelando para xingos e palavrões, o discurso extremista que entulha despudoradamente as redes sociais, geralmente aceita como verdadeiras premissas que deveriam ser previamente demonstradas, tirando daí suas (falsas) conclusões. Apoiado em manipulação de dados, invencionices irresponsáveis ou montagens fraudulentas, é o reino da intolerância e permanente incentivo a ela. Esse tipo de discurso é muito perigoso, porque puxa para baixo a cidadania.

Num ensaio sobre a importância da arte e da literatura na educação, o crítico Northrop Frye contrapõe duas formas de discurso social: o discurso da turba e o da sociedade livre. Seu texto sugere que o discurso de uma sociedade verdadeiramente livre implica responsabilidade e esforço na direção do bom senso e do bem comum. O discurso da turba, diz ele, "representa o clichê, a ideia pré-fabricada e o falatório automático, e leva-nos inevitavelmente da ilusão à histeria” (A Imaginação Educada, p. 127).

O uso equilibrado e responsável das redes sociais pode ser importante fator de coesão social. As manifestações de afeto e amizade (ainda que oscilando entre pureza ingênua e explícito exibicionismo), o compartilhamento responsável de fatos e imagens, o diálogo educado – pelo que têm de agregador, pelo enriquecimento que proporcionam, trazem a esperança de que o discurso da turba, que hoje predomina, vazio, irado e intolerante, acabe vencido por um discurso social íntegro, verdadeiro e tolerante. Afinal, o discurso das redes sociais não tem que ser necessariamente o paraíso da mistificação e da intolerância. Mas se continuar a sê-lo, provavelmente a sociedade livre e a cidadania responsável, ou o que dela restar, acabarão se afastando delas, o que será uma pena.


José Benjamim de Lima - [email protected]

COLUNISTA - José Benjamim de Lima
José Benjamim
Advogado. Promotor de Justiça aposentado. Mestre em Direito. Aborda temas ligados ao Direito, com ênfase em questões de cidadania e da comunidade assisense.
+ VEJA TAMBÉM