17 de Julho de 2019
17º/30º
ENTRETENIMENTO » BLOG

Jovens revelam ter problemas de autoestima

Alguns dizem viver altos e baixos e outros comentam ter grandes dificuldades para se autoafirmar

Segundo a OMS - Organização Mundial da Saúde, o Brasil é o país mais ansioso da América Latina. Ou seja, atinge 5,8% dos habitantes. Nos últimos dez anos, o número de pessoas com depressão aumentou 18,4%, isso corresponde a 322 milhões de indivíduos, ou 4,4% da população da terra. Em meio a dificuldades diárias para se manter bem, o Nube - Núcleo Brasileiro de Estágios realizou uma pesquisa com o seguinte enfoque: "Como é sua autoestima?”. O resultado apontou jovens com bloqueios em manter o equilíbrio quanto ao amor próprio.

O estudo ocorreu com 49.673 jovens entre 15 e 28 anos. Os dados foram colhidos de participantes de todo o Brasil, entre 21 de janeiro e 1º de fevereiro de 2019. Uma parcela relevante exaltou problemas com o tema. Assim, 21,52% ou 10.689 disseram: "vivo altos e baixos”. Outros 3,25% (1.615) ressaltaram: "muito baixa, tenho até dificuldades por isso”. Para Lizandra Bastos, pedagoga e analista de treinamento do Nube, a faixa etária analisada passa por um período da vida, no qual ocorrem grandes mudanças físicas, psicológicas e sociais. Logo, é comum o sentimento de incerteza diante do novo.

"Todavia, a inconstância de emoções pode afetar a vida profissional e pessoal, pois esses picos influenciam a forma de ser e se posicionar diante das situações cotidianas”, enfatiza. Por isso, avaliar como anda a auto percepção também é relevante. "Às vezes, pela velocidade das transformações, não percebemos tais oscilações”, completa. Assim, quem enfrenta desafios com o assunto deve tentar algumas saídas. "Cinco itens auxiliam: se esforçar para ter pensamentos positivos; evitar conviver com quem o deixa mal; parar com as comparações, pois cada indivíduo é único; buscar o autoconhecimento e fazer atividades físicas regulares”, incentiva a especialista.

Na contramão, 53,78% (26.712) afirmaram: "sou bem tranquilo e não tenho embaraços”. Enquanto 21,45% (10.657) confirmaram: "eu me valorizo muito e não deixo ninguém me afetar”. Ou seja, 75% dos respondentes estão bem com a questão proposta. Isso é importante, pois a manutenção do brio pode ser a diferença entre estar ou não saudável. De acordo com Lizandra, há níveis variados de autoestima e quando ela fica muito baixa tende a causar transtornos prejudiciais à saúde. "Pessoas nessas condições sofrem para estabelecer e manter relacionamentos afetivos, se colocam em situações de risco eminente e têm dificuldades para se comprometer e desempenhar tarefas acadêmicas e profissionais”, assegura. Em casos mais sérios é fundamental procurar ajuda.

Afinal, todos têm inseguranças. Entretanto, uma das principais características, capazes de diferenciar os mais confiantes, é o fato deles conseguirem buscar forças em suas próprias qualidades para lidar com tais questões. "Indico não perder tempo lamentando os percalços. Somos únicos, especiais do nosso jeito e, certamente, temos muitos pontos positivos”, finaliza a analista.

A valorização é essencial. Se aceitar e ter uma boa autoimagem influenciará desde pequenas escolhas, até a decisões mais relevantes. Portanto, a dica é evitar excessos e prezar pela saúde mental!

Assessoria NUBE
Bem-Estar
+ VEJA TAMBÉM