14 de Dezembro de 2019
17º/30º
ENTRETENIMENTO » COLUNISTAS

As insígnias apoderam? Ou os homens sentem-se apoderados por elas?

COLUNISTA - Elda Cecília Bolfarini Jabur

Na Bélgica existem os brocantes. Locais onde as pessoas vendem objetos usados, desde roupas, móveis, porcelanas, etc. Compramos algumas medalhas que foram outorgadas a soldados que participaram durante a primeira e a segunda guerra mundial. Quando os revejo, fico imaginando o que esses homens, em sua maioria muito jovens, sentiam ao serem mandados para a guerra. Inclusive ao serem homenageados, depois de presenciar horrores onde milhares de pessoas foram mutiladas ou mortas por eles. Milhares de soldados também morreram nas guerras, deixando para sempre suas famílias. Infelizmente nossa história ainda está repleta de guerras e ditadores.

HERÓIS DA MORTE.

Muitos cemitérios existem nas proximidades das cidades europeias. Um deles, visitados por nós, foi o OMAHA BEAGH, EM 15-07-2012. Esse cemitério militar fica na cidade de Colleville-sur-mer, na França. Ele foi construído pelo governo norte-americano em honra aos soldados dos exércitos aliados. Muitos deles foram mortos no famoso Dia "D”, quando ocorreu o desembarque das tropas aliadas na Normandia, em seis de junho de 1944. Esse fato deu início a derrocada dos nazistas. Considero a guerras uma idiotice. Quem morre são os civis, obrigados a defender os ideais de esquerda ou de direita dos ditadores. Todos os extremismos tiram a liberdade das pessoas. Matam para satisfazer ganâncias excessivas dos donos do poder. Querem riquezas minerais, ouro, prata, petróleo, matérias primas, escravos brancos ou pretos. Também muitas mulheres, bonitas, jovens, curvilíneas e muito perfumadas. Verdadeiras escravas sexuais.

Alguns comentários retirados do livro do historiador britânico Antony Beevor, sobre o famoso Dia "D”, citados no Estadão.

"Qual foi a motivação dos soldados que participaram do desembarque no "Dia D”? Terminar a guerra e ir para a casa ou lutar pelo mundo livre”?

"Nunca antes guerra uma invasão como essa foi realizada”.

...”os sentimentos variavam, às vezes dentro do mesmo indivíduo”.

Alguns queriam libertar a Europa do domínio nazista, mas muitos ...”ansiavam que a guerra acabasse o mais rápido possível para que pudessem voltar para casa ".

O general Eisenhower e os planejadores do ataque.

Organizaram um Plano de transporte.

Isolariam a área de invasão ao longo do rio Sena, a leste da França.

De que maneira?

Destruindo as cidades e vilarejos franceses que levavam às praias do interior, bombardeando também as pontes.

Bloqueariam as rotas com os escombros das casas "colocando a cidade na rua”.

Naquele evento cerca de 15 mil civis franceses foram mortos na fase preparatória e outros 20 mil durante os combates na Normandia. Mais de 120 mil ficaram incapacitados.

Sempre o poder. A sensação é que vivemos nos primeiros períodos da história, das barbáries romanas, das caças às bruxas da Idade Média, ou do expansionismo comercial da Idade Moderna.

O que vemos agora?

As guerras do Oriente Médio, decorrente da xenofobia religiosa? Ataques terroristas na Europa, matando milhares de civis inocentes.

E o boçal do Nícolas Maduro?

Até quando conseguirá permanecerá no poder? Grita, ameaça e manda seus opositores para a cadeia. Deve ficar muito tempo em frente ao espelho, ensaiando a sua performance. Durante o dia locupleta-se com muita comida, enquanto o povo passa fome e não tem itens de primeira necessidade. A sociedade está um caos.

Ele vive rodeado de fanáticos militares, um exército multicolorido de verde, como ele, com muitas insígnias. Enquanto os palhaços o defenderem, ele permanecerá no poder.

E o rei da Tailândia.

Assistimos há poucos dias um espetáculo grotesco.

Ele desfilou ao ser empossado rei pelas ruas da cidade. Foi carregado por soldados num palanque dourado. Ele gosta de mulheres bem mais jovens. Já divorciou-se três vezes. Mandou prender vários membros da terceira mulher por crime de lesa-magestade. Casou-se agora com sua ex guarda-costa.

Suas principais qualidades.

Não gosta de aparecer em público.

Passa a maior parte do tempo na Alemanha, onde possui requintadas residências.

Gosta de pilotar seu Boing 737.

As relações com as forças armadas são muito fortes. Eles rastejam aos seus pés. O veste uma roupa azul brilhante, lógico, com muitas medalhas.

Proibiu a candidatura de sua irmã ao cargo de primeira ministra, num partido de oposição.

Nossa história recente está repleta desses casos. Seria até cômico, se não fosse verdadeiro.

COLUNISTA - Elda Cecília Bolfarini Jabur
Elda Jabur
é professora de História formada peLa Unesp de Assis. Trabalhou no Sesi e no Estado até aposentar-se. Há muito tempo dedica-se a escrever para jornais, faz óleo sobre tela e pertence à Ordem Rosacruz - AMORC há mais de 30 anos. Reside na Cidade de Cândido Mota/SP.
+ VEJA TAMBÉM