23 de Agosto de 2019
17º/30º
ENTRETENIMENTO » BLOG

Mobilidade urbana está relacionada à qualidade de vida, diz estudo

A pesquisa constatou ainda que pessoas que caminham e pedalam como forma de deslocamento diário são mais saudáveis

Os problemas de mobilidade urbana podem afetar negativamente o bem-estar e a qualidade de vida dos cidadãos, de acordo com pesquisa levantada pela Universidade de Brasília (UnB) em parceria com as Universidades Federais Rio Grande do Sul e Santa Catarina e a Oxford Brookes University, da Inglaterra. A publicação foi intitulada de Projeto Mobilidade Urbana Saudável e teve como objetivo entender o impacto da malha urbana nas comunidades de baixa e média renda.

No Brasil foram analisadas três cidades: Brasília, Porto Alegre e Florianópolis. Já no Reino Unido, mais especificamente na Inglaterra, a escolhida foi a cidade de Oxford. Em todas elas foram relatadas queixas, mesmo com realidades econômicas e sociais totalmente diferentes.

O estudo apontou, por exemplo, a necessidade de se reduzirem os deslocamentos dentro das cidades. A solução seria aumentar o número de alternativas possíveis de atividades que possam ser feitas dentro da cidade, investindo em ciclovias e pistas para caminhada - ou ainda melhorar as condições das calçadas. Isso não só permitiria que as pessoas ficassem mais saudáveis, como também diminuiria os custos com tratamentos pela saúde pública.

A pesquisa constatou ainda que pessoas que caminham e pedalam como forma de deslocamento diário são mais saudáveis. Já as que utilizam o automóvel, são propensos a desenvolver doenças como diabetes, hipertensão e depressão. Para os pesquisadores, a gestão pública precisa investir em estruturas que promovam a caminhadas ciclismo e transporte público.

Os dados coletados e analisados pelas equipes brasileiras e do Reino Unido foram: o mapeamento espacial para entender o ambiente no qual ocorre o deslocamento; pesquisa social para obter perfis de saúde e bem-estar das comunidades selecionadas; entrevistas, para entender as razões que levam à escolha do meio de transporte; uso de recursos como GPS e câmeras e a participação ativa das comunidades locais na identificação de problemas e soluções para a mobilidade urbana saudável e bem-estar social.

O resultado da pesquisa foi apresentado recentemente em uma conferência sobre Mobilidade Urbana Saudável, promovida pela Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara dos Deputados, em conjunto com a Universidade de Brasília (UnB).

Solução para o trânsito

O uso de bicicleta para se deslocar para o trabalho já foi adotado como hobby por algumas pessoas. A escolha economiza o dinheiro de transporte e gasolina, evita o estresse dos congestionamentos e falta de estacionamento, além de fazer muito bem à saúde e ser uma solução para diminuir a quantidade de automóveis na rua. A melhor escolha do equipamento depende de quem for usar, pois opções não faltam e vão desde as bicicletas comuns, até as inovadoras como as bicicletas dobráveis e elétricas.

Ainda que alguns ainda insistam na atividade e se arrisquem pelas ruas disputando espaço com os carros, de acordo com os profissionais envolvidos, são muitos os que até querem caminhar e pedalar, mas não vão em frente por não confiar na estrutura existente.

Os cidadãos estão mais conscientes sobre os benefícios tanto no corpo quanto para o meio ambiente, mas a infraestrutura atual das cidades ainda não as permite utilizar desses meios com a devida segurança.

Pixabay - Pesquisa constatou ainda que pessoas que caminham e pedalam como forma de deslocamento diário são mais saudáveis
Pesquisa constatou ainda que pessoas que caminham e pedalam como forma de deslocamento diário são mais saudáveis


Divulgação/ Foto: Pixabay
Bem-Estar
+ VEJA TAMBÉM