04 de Dezembro de 2022
20º/30º
Notícias - Brasil

Dia Nacional de Atenção à Dislexia

Entenda o transtorno que afeta o avanço da aprendizagem infantil e atinge cerca de 17% da população mundial

Atraso no desenvolvimento da fala, dificuldade na compreensão de textos ou na forma de se expressar, erros na soletração e ortografia; entre outros fatores, podem indicar a presença de algum transtorno do neurodesenvolvimento.


O mais conhecido dentre eles, a dislexia, afeta habilidades básicas de leitura e linguagem, sendo considerado um transtorno específico de aprendizagem com sintomas que prejudicam o avanço acadêmico dos estudantes. "A atenção dentro de casa e nas salas de aula deve ser redobrada a qualquer sinal de dificuldade no desenvolvimento da criança ou adolescente. É nessa fase que os primeiros sinais se manifestam e o diagnóstico precoce é fundamental para o tratamento rápido, com o intuito de garantir qualidade de vida na realização de tarefas diárias desse portador", destaca o médico psiquiatra e professor do curso de Medicina da Unime Lauro de Freitas, Vinícius Pedreira.


Normalmente classificados como leve, moderado ou severo, os graus de dislexia, apresentam características semelhantes e afetam a leitura e escrita, atingindo por vezes o campo oral. Celebridades como Lewis Hamilton, Steve Jobs e Tom Cruise, estão no grupo de 17% da população mundial que sofre ou sofreu algum grau de dislexia.


Em 16 de novembro é oficialmente celebrado o Dia Nacional de Atenção à Dislexia e o psiquiatra explica que muitas pessoas identificam os sinais quando já adultas. Com o surgimento de casos e abordagem do tema, os mais velhos têm buscado os consultórios médicos e a confirmação surge.

Causas

As causas estão relacionadas a fatores genéticos, com origem na alteração cromossômica, transmitida de forma hereditária. estão relacionadas com fatores genéticos, desenvolvimento tardio do sistema nervoso central, problemas nas estruturas do cérebro e comunicação pouco eficaz entre alguns neurônios.

O cérebro do portador tem dificuldades para associar os sons às letras, comprometendo a junção interpretativa das sílabas que gera a formação de palavras. A barreira também se apresenta na associação entre os conceitos e símbolos matemáticos interferindo na resolução de seus significados. Como em qualquer ação do corpo humano, os atos de ler e escrever percorrem vários caminhos no cérebro. Esse percurso no cérebro do disléxico sofre desvios, gerando as dificuldades.

Uma pesquisa desenvolvida na Escócia, recentemente divulgada na revista científica Nature Genetics, em outubro deste ano, apresentou 42 variações genéticas que podem estar ligadas à dislexia. Antes desse trabalho, não havia evidências sobre os genes responsáveis pela condição. Com o estudo, cerca de um terço dos genes analisados (anteriormente já relacionados ao Transtorno de Déficit de Atenção -- DHA) foram diretamente apontados como implicativos para o desenvolvimento normal cerebral, levando a sintomas característicos da dislexia.


Diagnóstico

A tarefa de identificar a condição é multidisciplinar e envolve psiquiatra da infância ou neuropediatra além de relatos de profissionais que possam sinalizar déficits em atividade escolares como o psicopedagogo ou fonoaudiólogo. Testes criteriosos, análise do quadro clínico e histórico da criança, são fontes de dados extremamente relevantes. Pais professores e demais pessoas que acompanham a rotina diária do possível portador devem e podem relatar as dificuldades vivenciadas ou encontradas pelas crianças bem como observar o grau de desenvolvimento de cada faixa etária.


O médico ressalta que devem ser observados os seguintes sintomas:

Dispersão
Falta de atenção
Atraso da fala e linguagem
Dificuldade em aprender rimas e canções
Atraso na coordenação motora
Falta de interesse por livros
Desorganização contínua.
Divulgação
Receba em primeira mao nossas noticias!
Participe de nossos grupos:
+ VEJA TAMBEM