25 de Maio de 2022
20º/30º
Notícias - Brasil

STF deve anular portaria que proíbe demissão para quem recusar vacina

Corte julga a portaria nesta sexta-feira; especialista avalia que a medida deve cair

O Supremo Tribunal Federal (STF) julga em plenário virtual, nesta sexta-feira, a portaria do Ministério do Trabalho e Previdência que impede as empresas de exigirem o comprovante de vacinação dos trabalhadores e de demitir por justa causa quem recusar a imunização.

Na avaliação do advogado especialista em Direito do Trabalho Empresarial Fernando Kede, o Supremo deve confirmar a liminar do ministro e relator das ações, Luís Roberto Barroso, que suspendeu trechos da portaria permitindo que os empregadores exijam o documento e desliguem os funcionários que recusarem a vacina mesmo sem contraindicações médicas. "Tudo indica que os demais julgadores deverão anular a portaria confirmando a decisão do ministro", afirma.

A portaria foi assinada pelo ministro responsável pela pasta Onyx Lorenzoni no começo de novembro sob a justificativa de que a exigência do comprovante de vacinação é discriminatória. Kede afirma que o argumento não se aplica a esse caso. "Não é correto alegar ato discriminatório na exigência do comprovante de vacinação, pois trata-se de um interesse coletivo para garantir a saúde pública. O empregador pode e deve buscar medidas para evitar a propagação do vírus, garantindo assim a saúde de seus colaboradores", diz o especialista.

Segundo Kede, a portaria é inconstitucional. "O Ministério do Trabalho não pode legislar sobre o Direito do Trabalho, apenas regulamentar as leis já existentes", pontua. "No entanto, até ser julgado, os empregadores estão expostos a riscos jurídicos e podem sofrer sanções com base na medida por falta de entendimento do Tribunal Superior do Trabalho (TST) sobre o assunto", completa.

Por esse motivo, o especialista orienta que as empresas tenham cautela. "Conforme orientação do Ministério Público do Trabalho (MPT), o empregador pode exigir o comprovante de vacinação e aplicar justa causa em caso de recusa, mas é preciso buscar orientação jurídica antes de qualquer decisão para evitar sofrerem penalizações aplicadas com base na portaria, ainda vigente", alerta.
Divulgação
Receba em primeira mao nossas noticias!
Participe de nossos grupos:
+ VEJA TAMBEM

Policial sofre injúria racial ao abordar condutor de veículo de luxo: 'É por negão igual a você que o Brasil não vai para frente'

O homem ainda ameaçou de morte o policial da Rádio Patrulha da Polícia Militar.

Assassinatos no Brasil têm queda nos primeiros três meses de 2022

País teve 10,2 mil mortes violentas no primeiro trimestre do ano, contra 10,8 mil no mesmo período do ano passado. Queda segue tendência de 2021, quando país registrou baixa de 7% no número de mortes violentas intencionais.

Doria anuncia desistência de disputar eleições presidenciais

Ex-governador de São Paulo enfrentou nos últimos meses resistência interna no PSDB e de partidos aliados da terceira via. 'Para as eleições deste ano me retiro da disputa com o coração ferido, mas com a alma leve', disse Doria em pronunciamento.

Enem 2022: prazo de inscrição termina neste sábado; saiba como se inscrever

Versões impressa e digital serão aplicadas em 13 e 20 de novembro. Taxa é de R$ 85 e pode ser paga via boleto, cartão de crédito ou PIX. Quem obteve isenção da taxa também precisa se inscrever

Autoescola pode deixar de ser obrigatória para tirar a CNH

O projeto de lei está em análise no senado

Jovem que descobriu novo asteroide vai fazer curso da Nasa e pode se tornar 1ª mulher brasileira no espaço

O início da 'jornada nas estrelas' será no dia 24 de maio. Em agosto do ano passado, Laysa Peixoto Sena Lage descobriu um asteroide analisando imagens do computador de casa.

- Veja a lista completa