24 de Junho de 2021
20º/30º
Notícias - Local

Polícia conclui investigações do acidente que matou psicóloga em Assis nessa semana

Novos vídeos e testemunhas ajudam no caso

A Polícia Civil recebeu novas imagens de câmeras de segurança nesta terça-feira (4) e está ouvindo testemunhas para analisar se houve disputa de racha no acidente que matou uma psicóloga de 26 anos no sábado (1º), em Assis (SP).

De acordo com a Polícia Civil, Maria Flávia Camoleze estava no banco de passageiros do veículo que bateu em um prédio comercial por volta das 2h30, na Travessa Sorocabana. O motorista do carro, um dentista de 24 anos, foi preso em flagrante depois do acidente, mas liberado após pagar fiança.

Segundo o delegado Marcelo Armstrong, responsável pelo caso, a investigação deve ser concluída até o fim da semana, mas a polícia ainda aguarda laudos que são essenciais para comprovar a dinâmica do acidente.

divulgação - Psicóloga de 26 anos morreu em acidente de carro em Assis
Psicóloga de 26 anos morreu em acidente de carro em Assis


Nesta terça-feira (4), a prefeitura de Assis repassou à Polícia Civil e ao Ministério Público imagens de cinco câmeras de segurança instaladas em trechos da Avenida Rui Barbosa. As novas imagens, fornecidas pela prefeitura à polícia, não foram cedidas à imprensa para não atrapalhar a investigação.

De acordo com o delegado, além do momento do acidente, os vídeos também capturam o trajeto do carro antes da colisão e, com isso, será possível confirmar se houve disputa de racha ou não.

Em um vídeo que a TV TEM teve acesso no dia do acidente, é possível ver que dois carros brancos trafegavam em alta velocidade na avenida. Ao tentar fazer uma curva, o motorista do veículo onde Maria Flávia estava perde o controle da direção e bate em uma viga do estabelecimento comercial.Thaís afirma que que não reconheceu de quem seria o outro carro que aparece no vídeo. Para ela, a amiga não pegaria carona com o dentista se soubesse da imprudência.

"Ela jamais entraria nesse carro sabendo que era para tirar racha. Eu consigo imaginar o desespero dela dentro desse carro", diz a amiga.
Maria Flávia Camoleze, de 26 anos, era filha do provedor da Santa Casa de Cândido Mota. Depois do acidente, a prefeitura e o hospital emitiram notas de pesar pela morte da jovem.

Segundo a amiga, que fez faculdade com a vítima, Maria Flávia era muito querida na cidade, não só pela família e amigos, mas também pelos pacientes que atendia há cerca de um ano.

"Eu fico também pensando neles que vão ficar sem a pessoa que eles confidenciavam, que estava ali toda semana. É uma parte da história deles também que vai ficar com um buraco", lamenta Thaís.

Maria Flávia foi enterrada na manhã de domingo (2) no Cemitério Municipal de Cândido Mota. Já o motorista, que teve ferimentos leves e ficou internado em um hospital de Assis sob escolta da PM, pagou fiança de sete salários mínimos (R$ 7,7 mil) e será investigado em liberdade.

Na sequência, o vídeo mostra que o outro carro faz a curva, contorna a praça e vai embora em alta velocidade.

O delegado informou ainda que já ouviu o motorista do outro veículo que aparece no vídeo, mas que também não pode divulgar o conteúdo do depoimento.

Já o dentista que dirigia o carro envolvido no acidente já teve alta do hospital, mas estava muito abalado para ser interrogado, segundo o advogado dele disse à polícia.

'Jamais compactuaria com isso'

Em entrevista ao G1, uma amiga da psicóloga Maria Flávia Camoleze disse que o rapaz que dirigia o carro - e foi preso por apresentar sinais de embriaguez - não era amigo da vítima.

Thaís Cristina Zanirato contou que, no dia do acidente, a psicóloga tinha ido a um bar com os amigos e, como a jovem que divide apartamento com ela foi embora mais cedo, Maria Flávia decidiu ir para casa de carona com um conhecido.

"O que eu sei é isso, que ela pegou uma carona, mas não era um amigo dela. Ele não fazia parte do nosso círculo de amizades", diz.
G1
Receba em primeira mao nossas noticias!
Participe de nossos grupos:
+ VEJA TAMBEM