23 de Outubro de 2020
20º/30º
NOTÍCIAS » REGIÃO

Centro-oeste paulista tem cinco cidades com mais eleitores do que moradores

Em Arco-Íris há quase 500 pessoas a mais aptas a votar do que os cerca de 1,7 mil moradores. No Brasil, situação se repete em 493 municípios e cresceu 60% desde as eleições de 2018.

Cinco cidades do centro oeste paulista têm mais eleitores do que moradores. A maior diferença na região foi registrada em Arco-Íris, cidade com apenas 1.723 moradores, mas que registra 2.263 eleitores, ou seja, 490 pessoas a mais aptas a votar do que a população estimada pelo IBGE.

A situação se repete em outras quatro cidades da região: Borá, Uru, Florínea e Paulistânia.

G1 - Eleitores de Borá aguardam início da votação nas eleições de 2018, quando cidade já tinha mais eleitores que moradores
Eleitores de Borá aguardam início da votação nas eleições de 2018, quando cidade já tinha mais eleitores que moradores


Em Borá, a menor cidade do estado de São Paulo, a "distorção” não é novidade. Em 2016, quando o IBGE apontava que Borá tinha 838 habitantes, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) indicava a presença de 1.214 eleitores.

Neste ano, no Brasil, segundo dados do TSE e do IBGE, são 493 municípios nessa situação. O dado representa um aumento de 60% em relação às últimas eleições, em 2018, quando havia 308 cidades com mais eleitores que moradores.

G1


Na região, depois de Arco-Íris, a maior diferença foi registrada em Uru, onde há 1.533 eleitores, 380 a mais que os 1.153 habitantes. Em Borá, a diferença é de 223 pessoas (838 habitantes contra 1.061 eleitores).

Na sequência aparece Florínea, cidade de 2.653 habitantes, segundo o IBGE, mas com 2.784 eleitores, de acordo com o TSE – diferença de 131 pessoas. A menor diferença na região é registrada em Paulistânia, de apenas 15 pessoas: 1.834 habitantes contra 1.849 eleitores.

Segundo especialistas e integrantes de tribunais regionais eleitorais, essas diferenças podem ser explicadas por defasagem nas estimativas de população, migrações, fraudes ou simplesmente porque pessoas que se mudaram dessas cidades e não transferiram o título para o novo endereço.
G1
+ VEJA TAMBÉM