Buscar no site

Ministros do STF classificam de terroristas os atos antidemocráticos

Presidentes do STJ, TSE, TST, STM, além do STF, divulgam nota conjunta

Agência Brasil

  • 08/01/23
  • 22:00
  • Atualizado há 79 semanas

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) classificaram como terroristas os bolsonaristas que, insatisfeitos com o resultado das eleições presidenciais, invadiram e depredaram as sedes dos Três Poderes hoje (8) em Brasília.

A presidente da corte, Rosa Weber, divulgou uma nota na qual garante que o STF atuará "para que os terroristas que participaram desses atos sejam devidamente julgados e exemplarmente punidos e que o prédio histórico será reconstruído". "A Suprema Corte não se deixará intimidar por atos criminosos e de delinquentes infensos ao estado democrático de direito", acrescentou.

Em sua conta no Twitter, o ministro Alexandre de Moraes disse que "os desprezíveis ataques terroristas à Democracia e às Instituições Republicanas serão responsabilizados, assim como os financiadores, instigadores, anteriores e atuais agentes públicos que continuam na ilícita conduta dos atos antidemocráticos. O Judiciário não faltará ao Brasil".

Marcelo Camargo / Agência Brasil - O ato ocorreu neste domingo em em Brasília - Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil
O ato ocorreu neste domingo em em Brasília - Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Em nota, o ministro Gilmar Mendes também condenou os atos que, segundo ele, "mancharam nossa história e nos envergonham perante a comunidade internacional de nações".

GIlmar Mendes mencionou a responsabilidade de "autoridades constituídas", que deveriam atuar para combater esse "neofascismo tupiniquim". "Desde as "domingueiras" de 2019, passando por um ou dois setembro impatrióticos até chegarmos a acampamentos golpistas de porta de quartel, foram muitos os ataques as instituições e a seus membros. Na reta final de 2022, presenciamos no Distrito Federal resgate de golpista custodiado pela Polícia Federal, no qual profissionais do crime incendiaram carros particulares e ônibus em pleno Setor Hoteleiro."

"Vimos também tentativa de ato terrorista no Aeroporto de Brasília, mediante explosão de caminhão-tanque até que, agora, e como desenvolvimento consequente, prédios históricos da nossa República foram destroçados. Nossas instituições, todavia, não morreram", acrescenta a nota, ao afirmar que quem morre são os omissos, "que hoje estão com a mão suja".

Nota conjunta

Em uma nota conjunta, os presidentes dos cinco principais tribunais do país - STF, Tribunal Superior Eleitoral, Superior Tribunal de Justiça, Tribunal Superior do Trabalho e Superior Tribunal Militar - manifestaram "indignação ante os graves acontecimentos ocorridos neste domingo".

"Ao tempo em que expressam solidariedade às autoridades legitimamente constituídas, e que são alvo dessa absurda agressão, reiteram à Nação brasileira o compromisso de que o Poder Judiciário seguirá firme em seu papel de garantir os direitos fundamentais e o Estado Democrático de Direito, assegurando o império da lei e a responsabilização integral dos que contra ele atentem", diz a nota.

Receba nossas notícias em primeira mão!

Mais lidas
Ver todas as notícias locais