Buscar no site

Falta de interação com o bebê pode prejudicar desenvolvimento da fala e da linguagem

Doutora em Fonoaudiologia pela USP, Camilla Guarnieri alerta para os efeitos negativos da falta de interação no desenvolvimento da fala e linguagem, uso de chupeta e o uso excessivo de telas.

Bem-Estar

  • 07/06/23
  • 20:00
  • Atualizado há 54 semanas

Em um mundo onde a comunicação é essencial, é de extrema importância garantir um desenvolvimento saudável da fala e da linguagem desde os primeiros meses de vida. No entanto, certas atitudes podem prejudicar esse processo crucial na vida de um bebê, alerta a fonoaudióloga Camilla Guarnieri. De acordo com a especialista, as interações e estímulos que o bebê recebe em seus primeiros anos de vida são fundamentais para o seu desenvolvimento da fala e da linguagem. Portanto, é essencial que os cuidadores estejam atentos às suas atitudes e promovam um ambiente propício para o aprendizado.

Entre as atitudes que merecem atenção, a mestre e doutora em Fonoaudiologia pela USP destaca a falta de estímulo verbal. "A exposição à uma linguagem rica desde cedo é crucial para que o bebê adquira vocabulário e desenvolva suas habilidades de comunicação", afirma a Dra. Camilla Guarnieri. A fonoaudióloga incentiva os cuidadores a conversarem com o bebê, mesmo que ele ainda não compreenda todas as palavras. Essa atitude contribui para o aprendizado e a assimilação da linguagem.

Outro ponto que merece atenção são os hábitos orais deletérios como chupar chupeta, usar mamadeira, chupar o dedo ou roer as unhas, que podem prejudicar o crescimento e o desenvolvimento da boca, afetando funções importantes como alimentação e fala. Além da reabilitação da função, a criança pode precisar de tratamentos ortodônticos. A fonoaudióloga explica: "Esses hábitos orais deletérios podem impactar negativamente a fala e a linguagem, sendo necessário intervir tanto na função quanto na estrutura oral".

A utilização de dispositivos eletrônicos também exige cautela por parte dos cuidadores. De acordo com a especialista, o tempo excessivo diante de telas pode impactar negativamente a interação social e prejudicar a aquisição da linguagem. "É importante limitar o tempo de exposição às telas e promover momentos de interação face a face com o bebê, pois é nesse contexto que ele aprende a se comunicar e a compreender as sutilezas da linguagem", alerta a Dra.

Isso porque a comunicação se desenvolve por meio da prática e da oportunidade de expressão. É importante proporcionar situações em que a criança possa se expressar. "Se tudo é dado à criança antes mesmo dela pedir, a oportunidade de comunicação é prejudicada. É necessário oferecer momentos de pausa e permitir que a criança responda, marcando a vez dela de falar". Além disso, a falta de estímulo para o desenvolvimento da motricidade oral também é apontada como uma atitude prejudicial. Camilla explica que estimular os movimentos da boca e da língua por meio de brincadeiras, como soprar bolhas de sabão ou imitar sons de animais, contribui para fortalecer os músculos envolvidos na fala e na linguagem.

Além do desenvolvimento da fala, outras funções orais, como sucção, mastigação e respiração adequada, são essenciais para o amadurecimento motor e linguístico. É crucial considerar o desenvolvimento global dessas funções. "Devemos ter uma visão abrangente das funções orofaciais, pois a fala está diretamente relacionada a outras habilidades motoras." - explica.

Por fim, a profissional destaca a importância da interação social para o desenvolvimento da fala e da linguagem, já que o ambiente desempenha um papel crucial neste sentido. A entrada na escola e as experiências familiares oferecem oportunidades valiosas para o desenvolvimento da linguagem.

É importante, ainda, buscar o auxílio profissional caso haja preocupações em relação ao desenvolvimento da fala e da linguagem do bebê. "Um fonoaudiólogo é capacitado para avaliar e intervir em casos de atrasos ou dificuldades na comunicação. Quanto mais cedo o acompanhamento for iniciado, maiores são as chances de um desenvolvimento pleno", enfatiza a especialista.

O engajamento ativo, o estímulo verbal adequado e a limitação do uso de dispositivos eletrônicos são essenciais para criar um ambiente propício ao aprendizado e ao crescimento saudável das habilidades comunicativas do bebê.

Sobre Fga. Dra. Camilla Guarnieri (CRFa 2 - 18977):

Fonoaudióloga graduada pela USP, mestre pelo Programa de Pós-graduação em Fonoaudiologia da pela USP com a dissertação defendida na linha de pesquisa "Processos e Distúrbios da Linguagem" intitulada "Programa de Estimulação para Crianças com Atraso de Linguagem" e doutora pelo Programa de Pós-graduação em Fonoaudiologia da pela USP/Bauru com a tese defendida na linha de pesquisa "Telessaúde e Teleducação" intitulada "Curso online para treinamento de Fonoaudiólogos na intervenção em linguagem infantil". Durante o doutorado realizou estágio pesquisa no exterior na University of South Florida (USF - EUA). Já organizou livro, escreveu capítulos de livros, artigos e materiais para a avaliação e intervenção de fala e linguagem em crianças. Já foi coordenadora pedagógica e professora de diversos cursos e aprimoramentos para a formação de fonoaudiológos na atuação com a fala e a linguagem em crianças. É a fonoaudióloga clínica responsável pelas áreas de fala e linguagem na Clínica Care Materno Infantil.

Receba nossas notícias em primeira mão!

Veja também
Colunistas Blog Podcast
Ver todos os artigos