Buscar no site

Morte da Rainha Elizabeth: como falar sobre a perda dos avós para as crianças

O psicólogo parental Filipe Colombini, CEO da Equipe AT, indica as melhores formas de abordar a morte de um parente querido com os pequenos

Bem-Estar

  • 09/09/22
  • 19:00
  • Atualizado há 77 semanas

Na última quinta-feira, 8 de setembro, morreu aos 96 anos a rainha Elizabeth II. A monarca foi a mais longeva da história britânica, completando 70 anos de reinado, e deixou oito netos e doze bisnetos. O falecimento da rainha desperta uma discussão: qual a melhor forma de abordar a morte de um parente querido com as crianças?

Muitas vezes, o luto é considerado um tabu dentro de uma família e não é exposto para as crianças. "A morte é algo natural e superar a dor de uma perda faz parte do desenvolvimento de todo o ser humano. Para os mais pequenos, como os bisnetos da rainha, o processo tende a ser ainda mais complexo, por isso, os pais geralmente têm muitas dúvidas sobre como abordar o tema", afirma Filipe Colombini, psicólogo especializado em orientação parental e fundador da Equipe AT.

"Quando a questão é mal resolvida entre os adultos, os filhos também podem acabar enfrentando dificuldades para lidar com as emoções e mostrar sentimentos diante do falecimento de um ente querido. Por isso, é importante não se esquivar desse tema com as crianças", recomenda o psicólogo.

Veja a seguir as dúvidas mais comuns dos pais, esclarecidas pelo especialista:

Quando conversar sobre a morte com seu filho? "Apesar de ser uma conversa importante e necessária, o ideal é que os pais e familiares abordem o assunto à medida em que as questões forem levantadas pelos pequenos. Assim, é possível transmitir o que a criança realmente tem necessidade de saber, evitando sentimentos de ansiedade e medo", explica Colombini.

Como abordar o assunto? "É importante que no momento da conversa seja levado em conta em qual fase de desenvolvimento seu filho está. Na primeira infância, a abordagem deve ser mais lúdica do que o conteúdo passado para crianças mais velhas, por exemplo", diz o psicólogo. "Isso é essencial para não alimentar a imaginação dos pequenos com coisas que eles ainda não entendem", conclui.

Devo levar meu filho a um enterro ou cremação? "O funeral é um rito que marca um término, dando um espaço importante para que alguns sentimentos relacionados ao luto, como tristeza e frustração, possam ser vivenciados. Porém, é importante ressaltar que é essencial respeitar os limites da criança, nunca obrigando seu filho a ir nesse tipo de evento", afirma Colombini.

Devo procurar ajuda profissional? "Quando acontece a perda de alguém querido, um psicólogo pode auxiliar dando tanto apoio às crianças como orientação para os adultos da família. Esse amparo aos pais também é interessante para que os adultos lidem com o próprio luto e, assim, fiquem mais preparados para oferecer suporte aos seus filhos", aconselha.

Receba nossas notícias em primeira mão!

Veja também
Mais lidas
Ver todas as notícias locais
Colunistas Blog Podcast
Ver todos os artigos