Buscar no site

Dólar cai para R$ 4,89 e bolsa tem maior alta em 6 meses

Mercado teve dia de euforia após dados fracos nos EUA

Agência Brasil

  • 04/11/23
  • 10:00
  • Atualizado há 32 semanas

A divulgação de dados fracos da economia dos Estados Unidos fez o mercado financeiro ter um dia de euforia. O dólar fechou abaixo de R$ 4,90 pela primeira vez em mais de 40 dias. A bolsa de valores teve a maior alta diária em 6 meses.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira, dia 3 de novembro, vendido a R$ 4,896, com recuo de R$ 0,068 (1,54%). A moeda abriu em baixa e intensificou a queda após a publicação de dados de emprego nos Estados Unidos. Na mínima do dia, por volta das 9h50, a cotação chegou a R$ 4,87.

Com o desempenho desta sexta-feira, a moeda norte-americana caiu 2,88% apenas nos três primeiros dias de novembro. Este ano, a divisa acumula baixa de 7,27%. O dólar está no menor valor desde 20 de setembro, quando tinha fechado vendido a R$ 4,88.

No mercado de ações, o dia foi marcado por fortes ganhos. O índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 118.160 pontos, com forte alta de 2,7%. Esse foi o maior ganho diário desde 5 de maio. O indicador também está no nível mais alto desde 20 de setembro.

Em todo o planeta, o dólar caiu e as bolsas subiram após a divulgação de que a economia norte-americana criou menos empregos que o previsto em outubro. No mês passado, os Estados Unidos abriram 150 mil postos de trabalho, menos que os 180 mil previstos.

A notícia reduziu as expectativas de que o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) eleve os juros básicos da maior economia do planeta antes do fim do ano. Isso porque os números fracos indicam que as altas de juros em vigor desde o início do ano passado surtiram efeito para conter a inflação nos Estados Unidos. Taxas menos altas em economias avançadas estimulam a aplicação de recursos em países emergentes, como o Brasil.

Mesmo com o agravamento do conflito entre Israel e o grupo palestino Hamas, o mercado financeiro ainda não sofreu turbulências significativas porque a guerra, a menos que se alastre pelo Oriente Médio, tem pequeno impacto na produção de petróleo.

Receba nossas notícias em primeira mão!

Veja também
Ver todas as notícias
Colunistas Blog Podcast
Ver todos os artigos