Buscar no site

Existem limites para a sexualização sem cair na vulgaridade?

Essa semana houve uma discussão sobre o fato da cantora Anita ter colocado uma cena de sexo em seu novo videoclipe ter sido vulgar ou não. A psicanalista Andrea Ladislau escreveu um texto sobre os limites entre sexualização e vulgaridade

  • 31/01/23
  • 21:00
  • Atualizado há 62 semanas

A sexologia, ciência que estuda o comportamento sexual humano, nos mostra que o sexo não pode ser visto apenas como um ato sexual em si, mas sim como toda a sexualidade contida nos padrões de comportamentos de uma sociedade.

Além disso, os avanços tecnológicos, a vida acelerada, a carência de afeto, os julgamentos, os medos, as angústias, entre outros aspectos psicológicos e sociais, são fatores decisórios para que o ser humano classifique a sexualidade, como sendo um dos indicadores de qualidade de vida que influencia a saúde física e mental, pensamentos, sentimentos, ações e integrações. Pois, o sexo acaba sendo uma válvula de escape das tensões.

Apesar da incidência forte de tabus e preconceitos relacionados ao tema, a sexualidade é uma fonte de prazer de extrema importância para a humanidade. O alívio das tensões se dá, pois, o orgasmo é uma espécie de descarga que libera substâncias como a endorfina, serotonina, dopamina e ocitocina.

Cada uma delas provoca estímulos diferentes em nosso corpo proporcionando diversos benefícios. Estimulado, o cérebro reage com sensações de bem-estar, de conforto, melhoria do estado de humor, através de uma elevada produção hormonal e, consequentemente, alcançando o tão desejado relaxamento e trazendo o alívio da tensão.

Além disso, podemos perceber uma melhora no poder de movimento, na atenção e na memória. Ganhos psíquicos adquiridos através do sexo que também contribuem para a ampliação da visão, da audição e do aumento das células de defesa, auxiliando assim, o aumento da imunidade.

Porém, a sexualização ou o ato de sexualizar possui limites? Até onde se pode sexualizar, se entregando ao prazer sem invadir os limites do outro e sem vulgaridade?

Bem, existe aqui uma linha tênue que mostra que a exploração do prazer, considerando a energia sexual como canalizadora do alívio das tensões cotidianas e da satisfação pessoal, sem culpa e sem tabus, vai depender de como esse indivíduo encara o seu processo de intimidade.

A materialização dos desejos e fantasias precisa ser acordada e consentida entre ambos os parceiros, tendo estes a plena consciência do poder e do domínio de seu corpo e de suas sensações.

O vulgar está na mente do ser humano. O que um considera vulgar o outro pode não considerar. É muito subjetivo. No entanto, cada um deve cuidar de seus excessos e descortinar o desconhecimento do próprio corpo que, muitas vezes, originado pela culpa e pelo medo resultantes da falta de intimidade com ele, abre portas para a instalação de disfunções sexuais e transtornos psíquicos relacionados ao sexo.

Portanto, a sexualização e a prática do sexo consciente e seguro, não apresentam qualquer contra indicação. Pelo contrário, ajudam a descarregar as tensões e não surtar com as pressões diárias, aumentando a autoestima e estimulando o autoconhecimento do corpo e das emoções.

Ou seja, a busca pelo relaxamento e a descarga mental são essenciais para aliviar o estresse, a angústia, as frustrações e as incertezas cotidianas. Liberte-se dos tabus e permita-se sentir desejo.

Desejar e se sentir desejado, sem culpa. Explore fantasias e entenda o sexo, a sexualização racional e o orgasmo como mecanismos de auxílio de seu bem estar e de sua satisfação, sem preconceitos.

Porém, sempre com muita cautela, responsabilidade, respeito aos desejos e limites do (a) parceiro (a). Assim a vulgaridade, ou os julgamentos e rótulos, não terão vez, já que abrirão espaço para uma vivência do prazer íntimo e pessoal ,saudável e necessário a todo e qualquer ser humano.

Dra. Andréa Ladislau / Psicanalista

Receba nossas notícias em primeira mão!

Veja também