Buscar no site

Uma em cada 36 crianças são autistas, segundo estudo

Mês de Conscientização do Autismo, comemorado em abril, estimula a pesquisa e o diagnóstico como forma de melhorar a qualidade de vida

Assessoria

  • 17/04/23
  • 14:00
  • Atualizado há 61 semanas

A incidência do Transtorno do Espectro Autista (TEA) é cada vez mais frequente no Brasil e embora seja percebido nos primeiros anos da infância, alguns autistas podem chegar a vida adulta sem o devido diagnóstico. Uma pesquisa realizada a cada dois anos, nos Estados Unidos, pelo Centro de Controle de Prevenção e Doenças (CDC) em 2020, apontou que uma em cada 36 crianças, de até oito anos, são autistas no país.

Diálogos sobre o TEA estão sendo cada vez mais difundidos, especialmente com o mês de conscientização do autismo, comemorado em abril, e com isso é essencial buscar compreender as possíveis causas do autismo.

Sandro Matas, neurologista na Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, explica que a ciência não tem uma resposta comprovada do que pode causar autismo. "Há diversas hipóteses do que pode causar o TEA, dentre elas, a herança genética seria a que desempenha um papel essencial", comenta.

A incidência entre homens e mulheres é de 4:1. Portanto, a cada 5 pessoas com TEA, quatro são homens e uma é mulher, de acordo com o CDC, mostrando uma prevalência considerável da condição entre os homens. As principais hipóteses para essa questão, segundo Letícia Oliveira Faleiros, neuropediatra da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, é de que o transtorno pode realmente atingir mais os homens ou até mesmo pode se manifestar de forma diferente em mulheres, o que levaria a um diagnóstico incorreto ou tardio.

"Existem alguns sintomas de autismo que podem não ser lidos como parte do espectro, por exemplo, dificuldade de interação social, reconhecimento de expressões faciais e também no entendimento de piadas, sarcasmo, indiretas e sinais de comunicação não verbal", explica o neurologista.

Outros sintomas associados são hiperatividade, falta de atenção ou interesse intenso em atividades específicas, sensibilidade ao som ou ao toque, ansiedade, falta de contato visual, movimentos repetitivos e irritabilidade.

O que pode estar por trás da maior incidência da condição vai desde a melhora na forma de diagnóstico do autismo, na presença de mais médicos especializados no assunto e até a vida movimentada e estressante que vivemos hoje, com hábitos alimentares e sono inadequados.

Autismo na vida adulta

Na vida adulta, os sintomas podem se manifestar de forma diferente, assim como os autistas que possuem sintomas mais leves e não são diagnosticados também podem aprender a mascarar as manifestações do transtorno em busca de levar uma vida mais "normal".

"Quando o indivíduo sempre teve sintomas leves, desde a infância, e os familiares não levaram em conta a possibilidade de ser TEA, essa criança pode crescer em conflito, almejando agir como um neurotípico e aprendendo a mascarar os sintomas, o que se torna doloroso para o autista estar o tempo todo usando essa máscara ao invés de poder trabalhar as questões referentes ao autismo para levar uma vida normal dentro de quem ele é", esclarece a neuropediatra.

Um maior número de neurologistas e psiquiatras especializados no diagnóstico da síndrome do espectro autista poderá auxiliar na identificação de adultos com estes sintomas. Mesmo tardia, a definição diagnóstica contribui no autoconhecimento destas pessoas, melhorando a qualidade de vida.

Receba nossas notícias em primeira mão!

Veja também
Ver todas as notícias
Colunistas Blog Podcast
Ver todos os artigos