11 de Julho de 2020
20º/30º
NOTÍCIAS » MUNDO

Como o comércio eletrônico está afetando a vida de mulheres indianas durante a pandemia

Recente relatório das Nações Unidas descobriu que a pandemia corre o risco de atrasar décadas de ganhos que as mulheres obtiveram no mercado de trabalho

Quando a Índia mudou formalmente a sua economia, fechando os locais de trabalho e outros locais públicos por causa da covid-19, mais de 120 milhões de indianos perderam os seus empregos. No entanto, um grupo específico foi atingido mais criticamente nesse colapso do emprego - as mulheres, de acordo com o The New York Times.

O Times observou que um recente relatório das Nações Unidas descobriu que a pandemia corre o risco de atrasar décadas de ganhos que as mulheres obtiveram no mercado de trabalho.

O documento também citou um relatório da Organização Internacional do Trabalho, indicando que 41% das mulheres correm alto risco de perder horas de trabalho por completo. Isso se compara a aproximadamente 35% dos homens na mesma situação.

E, embora esses efeitos tenham sido observáveis ​​em todo o mundo, países em desenvolvimento como a Índia foram particularmente afetados.

Ilustrativa


O desemprego aumentou, porém muitas empresas que trabalham com o e-commerce já estão ajudando a população feminina indiana

O relatório da ONU observou que cerca de 70% das mulheres trabalhadoras estão empregadas na economia informal "com poucas proteções contra demissão ou licença médica remunerada e acesso limitado à proteção social. Para ganhar a vida, essas trabalhadoras geralmente dependem do espaço público e das interações sociais, que agora estão sendo restritas”.

O Times observou que as mulheres indianas já enfrentavam dificuldades de emprego no mundo pré-pandêmico. O jornal observou que, de 2005 a 2018, a participação do trabalho feminino na Índia caiu para 21% - uma das taxas mais baixas do mundo - de 32% anteriormente.

A taxa de participação da força de trabalho dos homens também caiu, mas não da mesma magnitude que a das mulheres. O jornal disse ainda que um estudo de emprego realizado na Índia descobriu que mais mulheres relataram ter perdido o emprego do que homens, e as que permaneceram empregadas tinham um nível maior de ansiedade sobre o futuro do que o público masculino.

A professora de economia da Universidade de Yale Rohini Pande, que pesquisa os padrões de emprego das mulheres na Índia, disse ao Times que espera ver mais mulheres jovens lá casadas e afastadas de carreiras. Mas alguns esforços estão em andamento para alavancar a crescente economia digital da Índia para ajudar as mulheres de lá.

Por exemplo, a startup indiana eWe (sigla que em inglês significa "Empowerment of Women Entrepreneurship", ou "Empoderamento do Empreendedorismo Feminino", quando traduzido para o português) disse à publicação indiana Inc42 que ajudou mais de 200 mulheres a encontrar emprego.

O grupo disse que também treinou 550 mulheres para entender a tecnologia de comércio eletrônico suficientemente bem para vender produtos de moda e vestuário.

"Nós fornecemos treinamento em marketing digital para ajudar as mulheres a ampliar e alcançar um público mais amplo", disse à Inc42 o co-fundador da eWe Abhayan P. Ele disse ainda que isso inclui o ensino de marketing de mídia social em aplicativos como WhatsApp, Facebook, Instagram e muito mais.

"Muitas mulheres na Índia são donas de casa que precisam de uma renda sustentada, mas não podem se mudar para um emprego", disse ele. "(Mas) a maioria dessas mulheres tem a capacidade de comercializar um item - especialmente moda e vestuário - e acreditamos que, com o apoio da tecnologia, elas podem fazer muita diferença”.

Ao mesmo tempo que o e-commerce tem gerado a perda de postos de trabalho, cria também um novo cenário de oportunidades para as mulheres do país

Vendo esta nova possibilidade de se manterem ativas no mercado de trabalho, muitas mulheres indianas já começam a se movimentar - algumas já estão a trabalhar para empresas de e-commerce, e outras estão até abrindo as suas próprias lojas de comércio eletrônico.

O intercâmbio entre empresárias indianas e brasileiras também tem sido interessante, visto que aqui no Brasil já existe um grande protagonismo do público feminino em lojas digitais, principalmente se observarmos o setor de cosméticos, calçados e confecções. E, se depender das brasileiras, as indianas só têm mesmo a melhorar neste negócio.

Isso porque são vários os cursos (em português e em inglês) realizados por empresárias brasileiras que podem ser encontrados hoje em dia na internet. Nas aulas, os ensinamentos vão desde como conciliar o tempo gasto com a família e com os filhos com o tempo gasto com a webstore, até a indicação de um calendário 2020 para estratégias de marketing com as melhores datas para fazer promoções de produtos na internet.

Como a pandemia está afetando o setor de e-commerce na Índia

Com a curva da covid-19 atingindo novos picos todos os dias e casos médios diários agora entre 10.000 a 11.000, 79% dos indianos sentem que a Índia experimentará um aumento significativo de casos nos próximos meses.

Desde que se passou o dia 1º de junho, quando o governo implementou o desbloqueio 1.0 e permitiu a abertura de muitos outros locais públicos, o horário estendido para mercados e escritórios em plena capacidade, a ansiedade e a preocupação em pegar uma infecção também aumentaram.

Segundo a pesquisa LocalCircles, atualmente 56% dos indianos estão se sentindo ansiosos e preocupados. Durante esses períodos, para minimizar o contato humano, as pessoas começaram a recorrer à entrega do que precisam em comércios eletrônicos ou serviços de delivery de lojas locais.

A maioria dos aplicativos de supermercado de comércio eletrônico viu seus volumes subirem várias vezes, conforme as pessoas pediam itens essenciais via comércio eletrônico durante o bloqueio.

E os números melhoraram ainda mais para o setor de e-commerce na Índia após o dia 17 de maio, quando o governo também passou a permitir a entrega de itens não essenciais por meio do comércio eletrônico.

A maioria das plataformas de comércio eletrônico registrou um aumento nos pedidos, já que o governo permitiu que enviassem produtos essenciais e não essenciais para todas as áreas, exceto as zonas de contenção.

Aplicativos como Amazon e Flipkart viram um aumento no número de pedidos de produtos como lava-louças, utensílios de cozinha, acessórios de computador, refrigeradores, condicionadores de ar, aspiradores de pó, celulares etc.

Divulgação
+ VEJA TAMBÉM