Buscar no site

UPA trabalha com capacidade operacional máxima com 5 médicos para atendimento à população

Só no 1º dia de Abril, unidade registrou 420 atendimentos - um aumento de 70% em relação ao mês de janeiro; Secretaria da Saúde abre unidades sentinelas na Vila Claudia e no Bonfim para desafogar unidade para atendimento exclusivo de dengue

Redação AssisCity

  • 02/04/24
  • 16:00
  • Atualizado há 2 semanas

A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Assis tem enfrentado um aumento exponencial no número de atendimentos desde janeiro, com a intensificação da epidemia de dengue na região. Em apenas três meses, a média de atendimentos diários subiu 42%, passando de 250 em janeiro para 350 em março.

Divulgação - UPA trabalha com capacidade operacional máxima com 5 médicos para atendimento à população - FOTO: Divulgação
UPA trabalha com capacidade operacional máxima com 5 médicos para atendimento à população - FOTO: Divulgação

Somente nesta segunda-feira, dia 1º de abril, a UPA registrou 420 atendimentos, um aumento de 70% em relação à média de janeiro. O alto fluxo de pacientes tem sobrecarregado a unidade, que está trabalhando com sua capacidade operacional máxima.

Devido a esse aumento quase que exponencial, o coordenador da UPA, Dr. Leonardo Menegon, contou ao Portal AssisCity que, desde fevereiro, a unidade vem adotando medidas para dar conta do alto fluxo na unidade. "Nós temos cinco consultórios médicos em nossa unidade e, desde que identificamos esse aumento no número de atendimentos, colocamos um médico extra para atender todas as manhãs, diariamente", disse.

Divulgação - Nesta segunda-feira, dia 1º de abril, UPA registrou 420 atendimentos - FOTO: Divulgação
Nesta segunda-feira, dia 1º de abril, UPA registrou 420 atendimentos - FOTO: Divulgação

Atualmente, além de atender diariamente com um médico extra no período da manhã, a unidade trabalha com cinco médicos das 13h às 21h, principalmente às segundas e terças-feiras, que são os dias de maior fluxo na unidade, segundo o coordenador. "Durante o período noturno, temos as segundas e terças feiras, 4 médicos atendendo das 21h às 1h e 2 médicos atendendo das 1h às 7h da manhã. Ou seja, aumentamos o número de médicos disponíveis para atendimento em todos os horários", comentou.

Arquivo Pessoal - Dr. Leonardo Menegon, coordenador da UPA de Assis - FOTO: Arquivo Pessoal
Dr. Leonardo Menegon, coordenador da UPA de Assis - FOTO: Arquivo Pessoal

Na tarde de ontem, uma paciente com cerca de 40 anos entrou em contato com o Portal AssisCity para reclamar do tempo de espera na UPA. Ela contou que chegou à unidade por volta das 15h e só saiu às 19h. A reportagem questionou o coordenador a respeito do assunto que, informou que a paciente passou pela triagem por volta das 15h19 e foi atendida às 17h46, com queixa de mialgia e dor no tórax. Durante o tempo que ficou na unidade, passou por exame de eletrocardiograma e recebeu todo o atendimento disponível, dentro do seu tempo de espera.

O médico responsável pela unidade também explicou que a UPA também está trabalhando com duas salas de triagem para que, assim que o paciente chegar à unidade, ele já passar pela classificação de risco que, segundo o Ministério da Saúde, é dividida em azul, verde, amarelo, laranja e vermelho, sendo que:

Azul (Não Urgente): pacientes que podem aguardar atendimento por até 240 minutos

Verde (Pouco Urgente): pacientes que podem aguardar atendimento por até 120 minutos

Amarelo (Urgente): pacientes que necessitam de atendimento rápido, mas podem aguardar por até 50 minutos

Laranja (Muito Urgente): pacientes que precisam de atendimento praticamente imediato, podendo aguardar por até 10 minutos

Vermelho (Emergência): pacientes que precisam de atendimento imediato;

"É importante ressaltar que o atendimento não apenas na UPA, mas em todos os serviços de saúde, os pacientes não são atendidos por ordem de chegada e, sim, pela ordem de urgência. Nosso maior objetivo é conseguir atender todos os pacientes no menor tempo possível, mas, devido às epidemias de dengue e demais doenças que estão no pico neste momento, o tempo de espera pode ser maior. A maioria dos nossos pacientes são azuis ou verdes, cujo tempo médio de espera tem sido entre 1h e 2h. Esse problema não tem sido algo específico da UPA, está acontecendo em todos os serviços de saúde", ressaltou Menegon.

Divulgação - Secretária de Saúde de Assis, Cristiane Silvério, em visita recente à UPA - FOTO: Divulgação/Arquivo
Secretária de Saúde de Assis, Cristiane Silvério, em visita recente à UPA - FOTO: Divulgação/Arquivo

Em entrevista ao Portal AssisCity, a secretária municipal da Saúde, Cristiane Silvério, destacou o esforço da pasta para desafogar a UPA e o Pronto Atendimento desse aumento repentino de pessoas buscando as unidades com sintomas de dengue ocorreu em horários em que não costumavam ter um grande volume de atendimentos.

"A fim de lidar com esse número elevado de atendimentos, principalmente na UPA, começamos a implementar unidades sentinelas desde a semana passada", afirmou Cristiane Silvério. "Essas unidades oferecem atendimento exclusivo para pessoas com sintomas leves de dengue." Na semana anterior, as unidades sentinelas funcionaram das 17h às 20h na Unidade Básica de Saúde (UBS) Vila Fiúza e na Estratégia Saúde da Família do Jardim Paraná. Nesta semana, as unidades sentinelas são a ESF Vila Cláudia e a ESF Bonfim, funcionando até sexta-feira, dia 5 de abril.

O atendimento nas unidades sentinelas inclui informações para a população, denúncias de possíveis focos de proliferação do mosquito transmissor da dengue e cuidados para pessoas com sintomas da doença, como consultas médicas, testes rápidos e hidratação endovenosa. "Essa estratégia tem sido eficaz na redução do número de pessoas buscando as unidades com suspeita de dengue", destacou Silvério. "Continuaremos monitorando a situação epidemiológica e ajustando nossas ações conforme necessário."

Saúde/Reprodução - Secretaria de Saúde anuncia unidades sentinelas abertas para atendimento de casos de dengue das 17h às 20h em Assis - FOTO: Saúde/Reprodução
Secretaria de Saúde anuncia unidades sentinelas abertas para atendimento de casos de dengue das 17h às 20h em Assis - FOTO: Saúde/Reprodução

É importante ressaltar que, até o momento, os casos de dengue registrados em Assis têm sido leves, com poucos casos graves. Não houve óbitos relacionados à doença, e a busca por internação específica para casos de dengue ainda é baixa. A maioria dos casos que aguardam internação na região são de outras condições de saúde. O Grupo de Vigilância Regional (GVE) está atento às questões relacionadas à dengue na região, mas, por enquanto, o foco principal é no tratamento e na prevenção dos casos leves da doença.

Receba nossas notícias em primeira mão!

Mais lidas
Ver todas as notícias locais