18 de Agosto de 2019
17º/30º
ENTRETENIMENTO » COLUNISTAS

A notícia mais triste da semana

COLUNISTA - Kallil Dib

Comecei a semana, domingo, abrindo a página do jornal que dizia o desespero de uma mãe,
pobre, de favela, que está junto a 13 milhões de outros cidadãos procurando emprego neste
país sem perspectiva.

Mãe que vai há meses atrás de um tratamento de saúde para o mais novo de seus cinco filhos,
doente, sem saber o que tem. O menino febril não sai do posto de saúde ali perto, vomita na
madrugada, dá ao desespero o lugar do sono e em seus plenos sete anos olha para a mãe, que
também é pai, como a sua salvação.

Meus primeiros dias de julho começaram tristes. Na segunda, também fiquei perplexo ao conhecer mais um caso de suicídio. Pobre homem que tirou sua própria vida Deus sabe o
porquê, e se juntou a outras tantas pessoas que só por aqui, no interior da capital, desistiram
de seguir. Uma corda na janela, o sangue frio, o desespero e o fim.

Fim para ele, um recomeço a quem fica. A mesma notícia dizia que o homem, cheio de boletos
para pagar, deixou duas pequenas crianças, de 5 e 10 anos, que agora têm uma a outra e vão
enfrentar o mundo com mais esse fardo imensuravelmente pesado.

Na quinta, li que um empresário grande de Sergipe esperou uma palestra do governador daquele Estado para se levantar em meio ao público e, entre uma mentira e outra contada
pelo político, deu um tiro em si mesmo. O empresário também sucumbiu à desesperança da
falência e de ver centenas de trabalhadores serem mandados embora sem ter para onde ir.

Tento até conciliar as tristes notícias da semana, que se repetiram na semana retrasada e provavelmente estarão de volta daqui a sete dias. Procuro ver jogos de futebol, ler livros de fantasias ou literatura de Fernando Veríssimo, tentando me abster ao máximo dessas linhas tristes que realmente acabam com minha rotina. Mas vou te dizer, caro amigo, miseravelmente eu falho.

Falho até porque não encontro outro tema a me agarrar. Gostaria de ler uma notícia animadora ao começar o dia. Ligar a TV e ver o âncora do jornal anunciar o futuro promissor.

Ouvir no rádio o locutor avisar a decadência do desemprego e o fim da insistente recessão
econômica. Queria ter a certeza que o filho daquela moça não morreu na fila do hospital...

Para terminar os dias que iniciam julho, em meio à chuva e ao frio que caíram na cidade, vi passar a insistência na reforma que vai acabar com a aposentadoria de muitos, e ainda lembrei
que as próximas eleições vão demorar a chegar, como se isso fosse um alento.

Tristes notícias, que acabam com a minha rotina.

+ VEJA TAMBÉM