24 de Fevereiro de 2020
17º/30º
NOTÍCIAS » REGIÃO

Suspeito diz à polícia que matou agente de atletas de Palmital por vingança após vítima aliciar seu filho

Empresário era investigado por estelionato em Palmital (SP) e morreu baleado no portão de casa. Trabalhador rural teve a prisão temporária decretada e foi encaminhado para a cadeia de Lutécia (SP)

O trabalhador rural que foi preso nesta quarta-feira (4) suspeito de matar um agente de atletas em Palmital (SP) disse à polícia que cometeu o crime porque suspeitava que vítima estava aliciando seu filho de 10 anos.

De acordo com o registro da Polícia Civil, Odair Donizeti de Oliveira, de 43 anos, fazia um churrasco na garagem da casa de uma tia, na Rua Laudelino Batista da Rocha, quando o criminoso teria se aproveitado de que o portão estava aberto e efetuou os disparos. Odair foi atingido no pescoço e morreu no local.

Segundo a Polícia Civil, o agente de atletas era investigado por estelionato. Além disso, de acordo com o boletim de ocorrência registrado no dia do crime, Odair também constava em registros policiais como investigado por estupro e receptação.

Com isso, segundo o delegado Giovani Bertinatti, o empresário tinha vários desafetos na cidade em razão de sua profissão. Em depoimento à polícia, o suspeito disse que cometeu o crime por vingança.

"Ele já era investigado pela gente aqui de Palmital por estelionato e, dentre esses casos, existem suspeitas de que ele abusava sexualmente dos garotos. Segundo o suspeito, Odair estava procurando o menino, não tinha chegado a cometer nenhum ato sexual, mas estava aliciando o menino", explica o delegado.

De acordo com a Polícia Civil, o suspeito também contou que Odair tinha "mexido" com a sua companheira. Por isso, ele disse que ficou transtornado e que, quando soube que o agente estava naquela casa no domingo, decidiu matá-lo.

Divulgação - Odair Donizeti de Oliveira, de 43 anos, foi morto no dia 1º de dezembro em Palmital
Odair Donizeti de Oliveira, de 43 anos, foi morto no dia 1º de dezembro em Palmital


Prisão

O delegado informou que, durante as investigações do caso, surgiu a suspeita de que o autor dos disparos fosse um trabalhador rural de Palmital, de 32 anos, e a polícia pediu a prisão dele.

Na quarta-feira (4), os policiais foram até a casa do suspeito e apreenderam o carro e as roupas que ele usava no dia do crime. No local, eles também receberam a informação de que o homem tinha fugido para Marília.

Leia também: Agenciador investigado por crimes morre com um tiro no pescoço em Palmital

"Ele foi tão premeditado para cometer o delito que parou o carro algumas ruas abaixo para ninguém ver o veículo próximo ao local do crime, foi correndo a pé, cometeu o delito e voltou”, conta o delegado.

Ao saber que tinha sido identificado, segundo o delegado, o suspeito se apresentou à polícia no final da tarde de quarta-feira e confessou o crime. Ele também entregou a arma utilizada para matar o agente.

O trabalhador rural teve a prisão temporária decretada e foi encaminhado para a cadeia de Lutécia. Ele vai ser investigado por homicídio qualificado e porte ilegal de arma, podendo pegar até 34 anos de prisão.

G1
+ VEJA TAMBÉM