19 de Janeiro de 2020
17º/30º
NOTÍCIAS » SAÚDE

Relatório do Ministério orienta que HRA seja descredenciado para tratamento de câncer

No relatório há a indicação de que não se inicie tratamento com novos pacientes para que não haja descontinuidade do serviço em caso de desabilitação do hospital

Joseane Batista, Diretora Regional do SindSaúde São Paulo, divulgou neste sábado, 22, que o Centro de Oncologia do Hospital Regional de Assis, que seria referência em quimioterapia e radioterapia, após perícia técnica realizada pelo Ministério da Saúde, cujo relatório orienta o descredenciado de Assis e indica como apta à prestação de serviço a Santa Casa de Ourinhos.

"Recentemente, houve uma manobra política na qual o Hospital Regional de Assis foi desclassificado para assistência de alta complexidade no tratamento do câncer, mediante um relatório tendencioso, mentiroso e partidário. Esse mesmo relatório orienta entregar esse serviço para a Santa Casa de Ourinhos. O nosso aparelho de radioterapia também foi desviado para outra cidade, para garantir que o Hospital Regional não fosse credenciado nesse tipo de serviço. Perder esse atendimento significa, para nossa região, sucatear ainda mais o serviço de saúde. Terceirizar tratamento de câncer vai acarretar a perda da qualidade do atendimento prestado, tudo para garantir o lucro e a garantia de altos cargos para poucas pessoas dentro de estruturas particulares. Nós não podemos deixar isso acontecer, nem perder esse serviço na região", afirma Joseane Batista.

No relatório há a indicação de que não se inicie tratamento com novos pacientes para que não haja descontinuidade do serviço em caso de desabilitação do hospital.

Também consta do documento, como conclusão do relatório: "O Hospital Regional, localizado no município de Assis, foi constatado que o Hospital não possui condições, no momento, de continuar habilitado na Alta Complexidade em Oncologia".

Em contrapartida, cita "a Santa Casa de Ourinhos como tendo condições para ser habilitada como UNACON de serviço de radioterapia".

Após a divulgação da notícia da desabilitação, o que causou grande preocupação em toda a população de Assis e região, foi realizada uma reunião na segunda-feira, 24, na sede do CIVAP, em Assis, em que participaram prefeitos de Assis e região, diretora do Hospital Regional de Assis, membros da Associação de Voluntários de Combate ao Câncer de Assis e diretora Executiva do CIVAP.

O objetivo da reunião foi esclarecer sobre a informação de que o Hospital Regional de Assis (HRA) teria sido descredenciado como Unidade de Assistência de Alta Complexidade (UNACON) para tratamento do câncer.

Durante a coletiva de imprensa, o prefeito de Assis, Ricardo Pinheiro Santana, assim como a sindicalista Joseane Batista, considera o relatório do Ministério da Saúde tendencioso, mas nega que exista manobra política.

"Nós sabíamos que viria uma visita técnica do Ministério da Saúde para avaliar as questões do Hospital Regional. Ela esteve aqui no dia de transição, pois o CIVAP havia publicado o consórcio um dia antes. Para nossa triste surpresa, veio um relatório totalmente tendencioso e que não levou em consideração as questões efetivas do Hospital. Esse relatório sugeriu que seja descredenciado o serviço do UNACOM de Assis e levado para uma outra região. Portanto, não há nenhum descredenciamento neste momento", afirma.

O prefeito afirma isso porque as recomendações feitas pelo Ministério da Saúde só vigoram a partir de 2017, caso não sejam prorrogadas.

"A Secretaria Estadual da Saúde tem como objetivo que Assis continue fazendo os atendimentos e a ser o UNACOM. Nós temos o apoio total da Secretaria. Além das questões técnicas, há as questões políticas. Há por parte do Governo do Estado uma vontade por entender a importância desse serviço no município", complementa.

Por enquanto, o serviço é mantido em Assis, e, segundo Elizabeth Salgado, diretora do HRA, desde 2007, os itens apontados para que haja o descredenciamento não procedem e Assis tem condições de dar continuidade aos serviços de oncologia.

O prefeito de Cândido Mota, Zacharias Jabur, também fez uso da palavra durante a reunião, e assegura que esteve em Brasília juntamente com o prefeito de Tarumã, Jairo da Costa, quando se reuniram com o deputado Beto Mansur, que garantiu a continuidade do Hospital Regional como UNACON.

A secretária Municipal de Saúde de Assis acredita que até 2017 o Hospital Regional estará em total acordo com as regras.

Ida Françoso, diretora do CIVAP, manifesta-se como se segue: "O Governo do Estado não assinaria convênio se Assis não tivesse condições".

O AssisCity entrou em contato com a Assessoria de Imprensa da Saúde do Estado de São Paulo para confirmar o descredenciamento do Hospital Regional de Assis como UNACON e obteve a seguinte resposta: "quem credencia ou descredencia esse serviço é o Ministério da Saúde".


Reunião realizada na tarde desta segunda-feira, no CIVAP


Hospital Regional pode ser desclassificado para UNACON


Redação AssisCity
+ VEJA TAMBÉM