22 de Maio de 2019
17º/30º
ENTRETENIMENTO » COMPORTAMENTO

As regras não escritas do amor durante o século 20

Conhecer pessoas no mundo de hoje é uma questão completamente diferente do que era no passado. Algumas regras antigas foram postas de lado, porque elas são desnecessárias, mas muitas pessoas pensam que algumas delas deveriam voltar.

Algumas gerações atrás, as idéias do enamoramento e alta moralidade e os valores excepcionais estavam em voga e apesar disso, eles tinham seus prós e contras, bem como algumas regras não escritas.


Foto: pexels.com


O conceito de namoro começou como tal no início do século 20, já que, antes desse período, os pretendentes eram selecionados pelos pais dos jovens, com base em seus critérios sobre qual seria a melhor opção para um casamento, com base em fatores sociais e financeiros.

Desde aqueles tempos que incluíam acompanhantes e tinham namoros que podiam durar anos, até hoje com uma abertura cultural e sites e aplicativos como o Badoo para conhecer pessoas e a facilidade da comunicação instantânea, os relacionamentos românticos continuam a evoluir como a cultura ao seu redor.

No início do século 20, os homens começaram a definir o conceito do que significa ser um cavalheiro, porque se um jovem estava interessado em uma menina, ele teria que visitar sua casa e tentar falar com seus pais, procurando por charme e bastante sorte para ser convidado mais tarde nas condições dos pais da menina.

Pouco depois desse período, algumas pessoas começaram a escrever livros que, supostamente, serviam como guias para os jovens, explicando como deveriam se comportar durante uma saída e deixando as exibições públicas de carinho completamente de lado, para evitar serem julgados pelas pessoas ao redor.

Além disso, essas diretrizes continham regras de vestimenta, sobre o que era apropriado se vestir ao sair com a outra pessoa, no caso das mulheres e estipulações sobre o comportamento esperado, como pagar pelos alimentos e trazer flores, no caso dos homens.

Uma questão que se tornou bastante importante foi a proibição de beijos e contato físico na primeira saída. Em teoria, nada mais do que a conversa e o acompanhamento deviam ocorrer antes do casamento e com base nisso, grupos comunitários e religiosos foram criados para prevenir (ou parar) namorados que possam cometer algo "escandaloso ou profano".
A aprovação dos pais sempre foi uma parte fundamental do processo desde a sua criação, e com base em sua experiência julgando o caráter das pessoas, esta é uma regra não escrita que continua a ser viva até hoje.

Já nos anos setenta, o enamoramiento tornou-se algo mais casual que começou a consistir em coisas simples, como passeios para restaurantes locais e jogos de tabuleiro com amigos, isso devido à influência da cultura dos Estados Unidos sobre o amor livre.


Foto: pexels.com


Até a década dos noventa, as únicas maneiras de entrar em contato com um ser querido na distância era através de cartas ou ligações telefônicas e era muito popular escrever pequenas notas como mensagens, buscando atrair a atenção da menina ou do menino de interesse. Se ele não respondeu, esse fato tornou-se um pouco embaraçoso, mas, se uma resposta positiva fosse obtida, a felicidade enchia os jovens amantes com luz e sorrisos.

Até recentemente, o fim dos relacionamentos de namoro era feito na frente e o mais limpo e sincero possível, sem ter a possibilidade de seguir cada passo do antigo parceiro através das redes sociais, de modo que se encontrar de forma casual e involuntária com essa pessoa era algo bem possível.

Recentemente, algo que se tornou extremamente comum é o uso de aplicativos como o Badoo para encontrar novas pessoas e começar a conhecê-las diretamente por esse meio, sem tantas frustrações ou perdas de tempo, permitindo dar mais valor a cada indivíduo através do cultivo da auto-estima.

Apesar de todas as mudanças existentes ao longo do tempo, é no final do dia, uma decisão pessoal sobre como cada pessoa quer se relacionar com o mundo e quais são seus padrões para o amor.

+ VEJA TAMBÉM