07 de Outubro de 2022
20º/30º
Entretenimento - Colunistas

Setembro Amarelo: psicólogo faz alerta sobre a prevenção ao suicídio

O mês de setembro é oportuno para falar sobre prevenção ao suicídio. Isso porque a campanha Setembro Amarelo, criada em 2015, visa a conscientização da população sobre esse grave problema e formas de evitá-lo. Recentemente, o DataSUS divulgou um dado preocupante sobre o Brasil: nos últimos 20 anos os suicídios subiram de 7 mil para 14 mil, mais de um a cada hora, sem contar os casos que não foram notificados. O número é maior do que mortes por acidentes de moto no mesmo período.

"O suicídio tende a ser multifatorial: predisposição genética somada a diversos fatores ambientais que precisam ser investigados caso a caso", explica Filipe Colombini, psicólogo e fundador da Equipe AT. "A maioria das ocorrências acontece entre pessoas com distúrbios psiquiátricos, como depressão, transtorno bipolar, transtornos de personalidade", continua. "Nestes casos, os familiares devem estar atentos e sensíveis a sinais, tais como: isolamento social, irritabilidade, pessimismo, apatia, sentimentos de culpa ou vergonha, mudanças de hábitos", completa.

Segundo o especialista, é importante que a família estabeleça uma rede de apoio intensiva para acompanhar de perto o paciente. O tratamento depende de uma avaliação criteriosa e sensível às demandas de cada pessoa: terapia dentro e fora do consultório, atendimento psiquiátrico, grupos de treinamento de habilidades, suporte por telefone, orientação e treinamento familiar, entre outros dispositivos clínicos. "Em alguns casos, a internação é indicada e precisa ser acompanhada pela equipe responsável pelo paciente, seguindo objetivos claros e mensuráveis", destaca Colombini.

Para Colombini, a melhor maneira de trabalhar a prevenção em relação ao suicídio é "quebrar" paradigmas e preconceitos sobre esse tema delicado, proporcionando espaços e oportunidades para se falar sobre o assunto por meio de dados de pesquisas atuais.

"Dessa forma, as pessoas vão poder ser alertadas sobre os riscos e gatilhos que podem levar alguém a pensar sobre se suicidar", diz ele. E a discussão, segundo o psicólogo, deve se estender para o ambiente escolar. "Quando lembramos que o suicídio é uma das principais causas de morte entre jovens brasileiros, entendemos a importância de programas de orientação sobre o assunto nas escolas, para que adolescentes e crianças sejam estimulados a explicitar seus sentimentos e percebam que existem pessoas dispostas a ajudar. A audiência não-punitiva é fundamental", conclui.
Divulgação
Receba em primeira mao nossas noticias!
Participe de nossos grupos:
+ VEJA TAMBEM