07 de Agosto de 2020
20º/30º
NOTÍCIAS » EDUCAÇÃO

Fapemig aprova pesquisa da UFJF para desenvolvimento de testes de Covid-19 mais rápidos e baratos

Exames serão feitos utilizando técnica molecular de amplificação isotérmica, chamada Lamp, que possibilita o resultado do exame em tempo menor em relação ao RT-PCR, considerado o padrão para detecção do novo coronavírus.

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) aprovou uma proposta enviada pelo grupo de pesquisa do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) para desenvolvimento de testes da Covid-19 através da técnica Lamp, que tem a possibilidade de agilizar o diagnóstico dos pacientes e reduzir os custos do exame.

Segundo a UFJF, a pesquisa receberá auxílio financeiro para o desenvolvimento e aplicação. O objetivo geral da proposta é a detecção de coronavírus através da técnica amplificação isotérmica mediada por loop (Lamp).

A Lamp é uma técnica considerada recente e inovadora que surgiu como uma ferramenta simples e rápida de amplificação de DNA ou RNA que pode ser utilizada para detecção e identificação de diversos patógenos.

Essa técnica já foi empregada para estudos de Zika vírus e de H1N1 como uma alternativa para os testes convencionais de PCR, que são utilizados também para detecção do coronavírus.

"Ela possibilita resultados seguros, reprodutíveis e escalonáveis, permitindo obtenção de diagnósticos mais rápidos, contribuindo para agilizar a atenção clínica ao paciente que tanto necessita", afirmou coordenador do grupo, Carlos Magno da Costa Maranduba.

De acordo com a pesquisa, usando essa técnica é possível agilizar o diagnóstico do paciente, liberando com segurança e eficiência. Com isso, o grupo pretende padronizar o ensaio de modo que possa duplicar ou triplicar o número de amostras analisadas por vez.

"Assim, será possível diminuir a sobrecarga quanto a obtenção dos diagnósticos, contribuindo para que o paciente receba atendimento com agilidade, o qual se espera. A técnica em si precisa ser padronizada, mas é executável, rápida e de baixo custo", destacou o pesquisador.

Maranduba informou que o grupo do ICB agora foca em adquirir os insumos e padronizar o rapidamente a técnica para a Covid-19, uma vez que o prazo junto à agência de fomento é de 12 meses.

Técnica Lamp

Desenvolvida em 2000, a técnica Lamp possibilita a obtenção de uma quantidade de RNA amplificado em escala exponencial.

De acordo com Maranduba, é uma técnica molecular de amplificação isotérmica (em uma única temperatura) em que pode-se amplificar os ácidos nucleicos do RNA das células colhidas em tempo menor (de 15 a 60 minutos) e os resultados são analisados com cores e a olho nu.

"O mesmo não acontece com as técnicas convencionais (PCR em tempo real) que demanda alternância de temperaturas, tempo maior (até duas horas), além da necessidade de equipamentos caros na execução e obtenção dos resultados", esclareceu.

Por isso, pela técnica de Lamp é possível realizar maior número de amostras de pacientes por vez, quando comparado às técnicas convencionais.

Segundo os pesquisadores, o método de PCR faz uso de insumos específicos e de custo elevado. O tempo de montagem da placa e corrida das amostras no PCR em tempo real é de aproximadamente duas horas e meia. Somada, a capacidade dos dois laboratórios da UFJF é de 100 testes diários, com liberação de resultados em até 48 horas após o recebimento das amostras.

Ainda conforme o pesquisador, a Lamp é uma técnica nova perto das convencionais. "Por isso, agora na China, justamente pela necessidade ocasionada pela pandemia, já estão empregando essa técnica, mas ainda precisa de aprimoramentos", destacou.

Fomento a pesquisas para enfrentamento da pandemia

O Governo de Minas está mapeando projetos e ideias inovadoras de empresas e instituições científicas, tecnológicas e de inovação localizadas no Estado de Minas Gerais que promovam soluções de auxílio ao enfrentamento da pandemia do novo coronavírus e à superação dos danos sociais e econômicos por ela causados para obtenção de apoio financeiro.

De acordo com a Fapemig, o objetivo é ter um canal ágil para identificação de projetos que possam contribuir de forma relevante aos impactos da pandemia, de maneira a facilitar o direcionamento de esforços e recursos para viabilização das ações mais estratégicas.

As propostas submetidas foram avaliadas quanto à relevância e viabilidade financeira diante do contexto da crise por meio de Fórum Especial considerando as visões da saúde e do desenvolvimento econômico. Os projetos que foram considerados estratégicos serão financiados com apoio da Fundação.

G1
+ VEJA TAMBÉM